quarta-feira, 22 de abril de 2009

www.dapolezelli.blogspot.com

O Pr. Daniel Alexandre Polezelli é pastor titular da PIB em Jd. São João, situada em Guarulhos na grande São Paulo. É nosso primo, neto de Nello, portanto mais um dos descendentes de Fortunato Pollesel e Regina.

"O meu objetivo com este blog é levar o leitor a refletir sobre diversos temas que lhes serão apresentados.Leia os artigos, faça seus comentários, pois eles serão de grande valor.Ao apresentar os artigos estarei postando artigos escritos por mim mesmo e outros escrito por outros pastores.Que Deus o abençoe e lhe conceda sua graça a cada dia.Um forte abraço a todos!"

www.dapolezelli.blogspot.com



terça-feira, 21 de abril de 2009

NELLO


Nello nasceu em Campinas/SP em 15 de agosto de 1916. Casou-se em Rincão/SP em 28 de outubro de 1939 com Rosa Cardoso. Faleceu em Campinas/SP em 23 de janeiro de 1986. Rosa nasceu em 11 de outubro de 1923 em Guatapará/SP e faleceu em Campinas/SP em 28 de abril de 1982. Ambos estão sepultados no cemitério da Saudade, em Campinas/SP, na spultura da familia Pollesel.
FILHOS:
1. Reginaldo Fortunato
2. Roseli Maria
3. Romualdo
4. Antonio Roberto
5. Renato
6. Rosemary de Fátima Aparecida
7. Rodson de Cássio

IRINEU

Nasceu em Campinas/SP em 01 de dezembro de 1914. Casou-se em Rincão/SP em 04 de maio de 1940 com Ayne Vianna. Faleceu em 25 de maio de 2004, com 89 anos e está sepultado no Cemitério Flamboyant. Ayne reside em Jales/SP.
FILHOS:
1. Neusa Aparecida
2. Carlos Roberto

JORGE (tio Jorginho)


Nasceu em Campinas/SP em 25 de maio de 1912. Casou-se com Teresa Bertolazzo. Faleceu em Itatiba/SP em 24 de novembro de 1987. Teresa nasceu em 05 de março de 1914 e faleceu em Itatiba/SP em 05 de agosto de 2005. Ambos estão sepultados no Cemitério da Saudade, na sepultura da Familia Pollesel.

FILHOS:

1. Sergio
2. Sidney
3. Noraide
4. Cleonilde
5. Cleusa Regina
6. Neide
7. Ozélia

ANTONIO (tio Toninho)


Nasceu em Campinas/SP em 23 de dezembro de 1910. Casou-se com Maria Aparecida Pires (tia Nene). Antonio faleceu em Campinas/SP em 17 de novembro de 1997 e tia Nene em 17 de julho de 1995. Antonio está sepultado no túmulo da Família Pollesel, no Cemitério da Saudade.
FILHOS:
1. Antonio Benedito
2. João Luiz
3. Luiz Antonio Tarcisio
4. Mauro Tadeu

ROMANO (tio Romão)


Nasceu em Campinas/SP em 27 de abril de 1907 e faleceu em Campinas/SP em 14 de setembro de 1994. Casou-se em Campinas/SP com Maria Meneghini (Mariquinha).
Mariquinha faleceu em Campinas/SP em 09 de janeiro de 1981. Ambos estão sepultados em Campinas/SP no Cemitério da Saudade na sepultura da Família Pollesel.
FILHOS:
1. Izaura
2. Evaristo
3. Osvaldo
4. Dirce
5. Geraldo
6. Maria Regina
7. Vera
8. Ivone
9. Fatima
10. Romeu
11. Meire

VICTÓRIO



Nasceu em Itatiba/SP em 03 de dezembro de 1904. Casou-se em Campinas/SP com Assencion Benites Assencio (Conceição). Faleceu em Campinas/SP em 13 de fevereiro de 1970. Conceição faleceu em Piracicaba/SP em 31 de outubro de 1993. Ambos estão sepultados em Campinas/SP no Cemitério da Saudade na sepultura da Família Pollesel.

FILHOS:
1. Mercedes
2. Regina
3. Dolores
4. Leonor
5. Fortunata
6. Márcia (de seu relacionamento com Luiza Azzini).

JOSE (vô Bepin)


Nasceu em Itatiba/SP em 04 de julho de 1903. Casou-se em primeiras núpcias com Anna Citron em Campinas/SP no dia 05 de junho de 1926 e em segundas núpcias com Maria Eloisa Torbollo. Faleceu em Campinas/SP em 12 de maio de 1972.
Anna Citron faleceu em Campinas/SP em 20 de junho de 1942.
Eloisa nasceu em Campinas/SP e faleceu em 1989.
Todos estão sepultados no Cemitério da Saudade em Campinas/SP na sepultura da família Pollesel.
FILHOS:
1. Pedro
2. Fortunato
3. José Alberto (nene)
4. Anna
5. Maria Inez
6. Anna Therezinha

segunda-feira, 20 de abril de 2009

BENEDICTA BÁRBARA (tia Dita)




Nasceu em Itatiba/SP em 12 de setembro de 1899. Casou-se em Campinas/SP em 30 de julho de 1921 com Ezequiel da Silveira. Faleceu em Campinas/SP em 22 de setembro de 1981.
Ezequiel nasceu em 28 de agosto de 1899 em Campinas/SP e faleceu em Campinas/SP em 28 de junho de 1932.
Ambos estão sepultados no Cemitério da Saudade, em Campinas/SP, na sepultura da Família Pollesel.
Filhos:
1. Jacyra
2. Mauro
3. Regina
4. Diogo
5. Therezinha de Jesus
6. Alvarez
7. Santina

CATHARINA (tia Catineta)


Nasceu em Itatiba/SP em 04 de agosto de 1898. Casou-se em Campinas/SP com Giuseppe Brenelli. Catharina faleceu em Campinas/SP em 20 de outubro de 1898. Giuseppe naceu em Francenigo em 07 de setembro de 1895 e faleceu em Campinas/SP em 31 de março de 1973. Estão sepultados no Cemitério Flamboyant, em Campinas/SP, na sepultura da familia Brenelli.
FILHOS:
1. Irineu
2. Irene
3. Fortunato
4. Regina
5. Antonio Renato

Elisabeth (tia Elisa)


Nasceu em Francenigo, no dia 03 de outubro de 1896. Imigrou para o Brasil, junto com seus pais e seu irmão Giovanni, em 30 de outubro de 1897. Casou-se em Bauru/SP em 16 de outubro de 1948, com Deolindo Araujo, com quem já vivia maritalmente há muitos anos. Elisa faleceu em Campinas/SP em 19 de fevereiro de 1976. Deolindo faleceu em Bauru/SP em 11 de novembro de 1950. Ambos estão sepultados na Cemitério da Saudade em Campinas/SP no túmulo da família Pollesel.
FILHOS:
1. Jurandir
2. Zuleica


GIOVANNI (tio Joanin)


Giovanni nasceu em Francenigo, Treviso em 10 de maio de 1895. Imigrou para o Brasil junto com seus pais, Fortunato e Regina, e sua irmã Elisabeth em 10 de outubro de 1897. Casou-se em Campinas/SP, em 26 de julho de 1916, com Maria Magdalena Querido, portuguesa nascida em Coimbra. Exerceu o ofício de alfaiate e comerciante. Faleceu em Nova Odessa/SP em 18 de outubro de 1971. Maria Magdalena faleceu em Americana/SP em 22 de outubro de 1988. Ambos estão sepultados em Nova Odessa/SP.
filhos:
1. Nair
2. Osvaldo
3. Odila
4, Hélio
5. Walter

domingo, 19 de abril de 2009

Regina Gobbo


Regina Gobbo
1872 - 1923

Foto de Fortunato como soldado da Cavalaria Italiana





Foto de Fortunato Pollesel quando servia o exército italiano como soldado da Cavalaria.

Data provável: 1892.



Após a morte de Fortunato, em 1930, esteve com seu filho, Victório, e posteriormente com a neta, Fortunata Polezel Pandolfi, filha de Victório.

sábado, 18 de abril de 2009

BILHETE DE FORTUNATO POLLESEL


frente e verso da estampa de São Roque que estava no bolso do paletó de Fortunato Pollesel no dia de seu suicídio. Fortunato escreveu á lápis: "São Roque, misericórdia pelo amor de Deus. Fortunato." Foi carinhosamente guardada por Elisabeth Polezel e posteriormente por Anna Therezinha Polezel.

Copo de vô Bepin

copo de vidro de José Polesel, vô Bepin. Foi dado de presente de casamento á Maria Cecília Polezel por Maria Eloisa Torbollo, segunda esposa de vô Bepin.

Relógio de com parede com pêndulo



Relógio de parede com pêndulo que esteve presente na vida de Fortunato e Regina desde o casamento em 29 de novembro de 1894. Veio com o casal para o Brasil em 1897. Após a morte de Regina e Fortunato passou pela casa de Giovanni (tio Joanin) e Jorge (tio Jorginho). Em 1997 tornei-me o "herdeiro" deste tesouro graças ao carinho e gentilieza de tia Terezinha, viúva de Jorginho.

bordado feito por Regina Gobbo,com mais de 110 anos


bordados feitos por Regina Gobbo, quando ainda era noiva de Fortunato Pollesel, isto é, foi feito antes de 1894, ano em que casaram. Após a morte de Regina, sua filha Elisabeth guardou esta relíquia que depois passou aos cuidados de sua filha do coração, Anna Therezinha.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

RELÍQUIAS DA NOSSA FAMÍLIA - Oratório do vô Bepin


ORATÓRIO de Jose Polesel, vo Bepin. Esteve presente desde o início da vida de casados de José e Anna Citron. Após a morte de Bepin, permaneceu com sua segunda esposa, Maria Eloisa Torbollo e posteriormente com a família de seu neto Pedro Polisel e Maria Marini Polisel.

RELÍQUIAS DA NOSSA FAMÍLIA


toalha confeccionada em crochê por REGINA GOBBO, nossa bisavó, no início do século XIX. Foi preservada graças ao capricho de sua filha Elisabeth Pollesel Araujo e posteriormente de Anna Therezinha Pollesel.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Barão de Ibitinga - primeiro patrão de Fortunato Pollesel


Natural de Campinas, Joaquim Ferreira de Camargo nasceu em 1832. Proprietário de uma fazenda de café, conhecida como Nova Lousã, no município de Espírito Santo do Pinhal, pertenceu ao Partido Liberal, exercendo cargos de nomeação e eleição popular.

Foi fazendeiro e teve plantação de café no município de Itatiba/SP, foi também vereador, juiz municipal e diretor de várias empresas, como a Companhia Campineira de Iluminação e Gás e Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Em 1887 foi condecorado com o título de Barão de Ibitinga pelo Governo Imperial.

Joaquim Ferreira de Camargo Andrade é neto, por pai, do Capitão Joaquim de Camargo Penteado e é neto, por mãe, do Capitão Mor, Floriano de Camargo Penteado. Foi fazendeiro e teve plantação de café no município de Itatiba/SP.

O Barão casou-se 2 vezes:

Primeiro casamento, com Cândida Franco (irmã da Baronesa de Araras) que é filha do Capitão Joaquim Franco de Camargo. Tiveram 5 filhos. A 1o filha do casal é Maria casada com Antonio Alvares Leite, Conde Alvares Penteado, pela Santa-Sé.

Segundo casamento, com Maria Higina de Almeida Lima (irmã da Baronesa de Pirapitinguí e sobrinha do Barao de Descalvado), que é quem tem o título de Baronesa de Ibitinga. Era viúva de João Carlos Leite Penteado. Tiveram 4 filhos. A última filha, Amália, casada com Henrique dos Santos Dumont, irmão do inventor Santos Dumont.

Homenagem: é nome de rua na Vila Industrial.
Seu túmulo no Cemitério da Saudade em Campinas.

FAMILIA EVANGELISTA - COMPANHEIROS NO VAPOR MANILA

FAMÍLIA EVANGELISTA

Glauber R. Sanfins
Maio/2008
Um dos ramos da família Evangelista de Itatiba teve como patriarca o Sr. Egídio Evangelista. Natural da província de Nápoles, Egídio nasceu aos 17 de maio de 1875. Conforme os relatos recolhidos em família, o desejo de vir para o Brasil decorreu em função de informações e influência de outros familiares que já moravam em nosso país.
Já casado com a Sra. Michelina Canna Evangelista, nascida aos 16 de outubro de 1877, o Sr. Egídio retira seu passaporte aos 25 de setembro de 1897. Passados alguns dias, o casal embarca no vapor "Manilla" e chegam em Santos nos últimos dias do mês de outubro.
Nessa viagem, e em condições muito precárias, nasce o primeiro filho do casal que se chamou Pedro. No dia 30 de outubro de 1897, são registrados na Hospedaria dos Imigrantes em São Paulo.



Egídio Evangelista, o patriarca da família em Itatiba.

Contratados para trabalharem em Itatiba, os "Evangelista" seguem para propriedade de Juca Salustiano. Foram tempos muito difíceis, como bem lembrava D. Michelina em conversa com familiares. Tratados com muita rudeza, os imigrantes padeciam numa sociedade recém-saída de um regime escravista. D. Michelina relatava o sofrimento de ter que amamentar seu bebê enquanto trabalhava nos cafezais.

Depois de deixar o trabalho nessa fazenda, a família foi residir no bairro da Ponte, ocasião em que nasceram os outros filhos do casal: Pedro, Jesumina, Carmela, Assunta, Luiza, Luiz, José, Antônio João e Aléssio. Mais tarde, mudaram-se para as proximidades do atual Hospital Sírio Libanês.

Finalmente, o casal adquiriu uma casa e alguns lotes no Alto da Santa Cruz.

O Sr. Egídio Evangelista (Avô) faleceu no dia 12 de maio de 1944, em sua homenagem nomeou-se uma rua no Jardim Leonor (próximo ao Hospital Sírio Libanês) e D. Michelina aos 10 de julho de 1964.


Da esquerda para direita em pé: Luiza Picollo Evangelista, Albertina Catalano (mãe de Egidio Evangelista Neto, esposa de Pedro Evangelista), Osvaldo Caetano( marido de Nair) e Nair Evangelista (filha de Albertina).
Agachados: Elenice Evangelista (filha de Luiza), Silvia Evangelista (filha de Albertina) e Evanil Caetano (filha de Osvaldo), 1.970

Hoje, são inúmeros os descendentes do casal pioneiro Egídio e Michelina que atuam de forma marcante na sociedade itatibense.

Texto elaborado com a colaboração de Juliana Panzarin Evangelista.


Da esquerda para direita: Tute, Fernando, Igor, Luiza, Glauber, Egidio Evangelista (Neto), e Santa Piccolo, Dez./1980

ORIGEM DO SOBRENOME EVANGELISTA
Difundido especialmente no norte da Itália, este sobrenome surgiu como forma de lembrar e homenagear os Evangelistas (que escreveram os "Evangelhos") João. Lucas, Marcos e Mateus. A palavra tem origem grega significa o que leva as boas novas.
Apesar de fazer uma referência aos quatro Santos, o sobrenome surgiu mais como uma homenagem a São João Evangelista, que se distingue de outro São João, o "Batista".
O termo evangelista vem da palavra evangelho. O evangelista proclama as boas novas da redenção para os perdidos. Além de seu uso em Efésios 4, o termo é também aplicado a Filipe (Atos 21.8) e a Timóteo, como uma exortação: "...faze o trabalho de um evangelista..." (2 Timóteo 4.5).
Dos dois exemplos bíblicos citados acima, podemos concluir que a diferença entre evangelista e apóstolo é que, o trabalho do primeiro, é simplificar o Evangelho e persuadir os homens à fé (os quais já tinham o conhecimento do Evangelho - Ver Atos 8.40). Observemos que Filipe ministra em Cesaréia e Samaria, onde o Evangelho já fora introduzido pelos apóstolos de Cristo. Por sua vez, Timóteo exerceu o ministério evangelístico em Éfeso, onde Paulo já havia implantado uma igreja.
Ao contrário disso, o apóstolo ia a novos campos onde o Evangelho ainda não fosse conhecido, semelhantemente aos missionários da atualidade. Observemos a descrição que o Apóstolo Paulo faz de seu ministério, em Romanos 15.20: "E desta maneira me esforcei por anunciar o evangelho, não onde Cristo foi nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio".
BRASÃO EVANGELISTA

A família teve origem no Reino de Castella da Terra de Campos em Portugal com Dom Manuel Henriques Evangelista. Fidalgo (perfeccionista/eficiente) honrado e senhor da Quinta (fazenda) do Evangelista, pessoa de confiança do Rei Dom Antônio, denominado “o efêmero” por sua atribulada e curta realeza. Evangelista fiel escudeiro participou da aclamação do seu Rei em Santarém (19-VIII – 1580) e da Batalha de Alcântara. Após o exílio de D. Antônio foi nomeado governador das ilhas dos Açores por Dom Felipe I para levar a elas a obediência ao Rei. Cumprida a missão retornou a Portugal e pelos relevantes serviços foi agraciado por Felipe I com o título de Cavaleiro do reino, com direito ao brasão de armas.

Fonte: - Imigrantes Italianos em Itatiba: Memória, Luís Soares de Camargo.
- "http://pt.wikipedia.org/wiki/Evangelista"
- Elizabeth Evangelista Sanfins
Nota do Autor:
Se voce tiver conhecimento ou imagens que possam acrescentar informações a estas aqui contidas, por favor me contate: glauber.sanfins@gmail.com ou glauber.sanfins@bol.com.br

sábado, 11 de abril de 2009

SISNI - Sociedade Interativa Sol Nascente de Indaiatuba



na foto, á direita, Akiko, fundadora da entidade, nossa "prima" do oriente.
SISNI: A SISNI (Sociedade Interativa Sol Nascente de Indaiatuba) é uma ONG com finalidade filantrópica, educacional, cultural, esportiva, sem fins lucrativos e mantida pelo trabalho voluntário.

Visão: Nosso desafio é ser uma organização referência em educação do ser, englobando corpo, mente e espírito, educando as crianças e adolescente e reeducando os adultos, buscando a autogestão e qualidade de vida.

Valores: A SISNI leva o indivíduo à prática de valores humanos, que devem se desenvolver no dia-a-dia. Educação é ação e leva o ser a harmonia entre pensamento, palavra e ação. O autoconhecimento é a base para o desenvolvimento moral e social do ser. Assim, a SISNI acredita que:

A disciplina se constrói através do amor;
A maiêutica (busca de respostas através de perguntas) desperta e desenvolve valores que levam à reflexão e à mudança de comportamento;
Observar, refletir, tomar atitude, agir e saber esperar promovem o autoconhecimento (Paulo Zabeu)

SISNI – Sociedade Interativa Sol Nascente de Indaiatuba
Rua Almirante Tamandaré, 445- Cidade Nova II – CEP: 13.334-200
Indaiatuba - SP
(19) 3825-2177 - Celular (19) 9694-4576
E-mail: sisni@sisni.org.br

EMMG de PRIMEIRO GRAU: "REGINA POLEZEL ABRÃO"

EMMG DE P GRAU REGINA POLEZEL ABRAO
Endereço
BR 364, S/N - KM 87 POSTO GAUCHO
Bairro: ZONA RURAL
Cidade: VILHENA Estado: RO
CEP: 78995-000

qual o valor destas homenagens? mostrar a eternidade da familia e do amor que sentimos por quem amamos.... bela homenagem!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Praça Antonio Polezel - Campinas/SP



LEI Nº 11582 DE 04 DE JULHO DE 2003
DENOMINA PRAÇA ANTONIO POLEZEL UMA PRAÇA PÚBLICA DO
MUNICÍPIO DE CAMPINAS
A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeita do Município de Campinas,
sanciono e promulgo a seguinte lei:
Art. 1º - Fica denominada Praça Antonio Polezel, o espaço físico frontal à
testada em curva do lote 01, quadra 48 do Arruamento Francisco B. de Miranda
(Taquaral), entre as Av. Orosimbo Maia e Paula Bueno.
Art. 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.
Campinas, de julho de 2003
IZALENE TIENE
Prefeita Municipal

RUAS DE PIRACICABA QUE EU IDEALIZEI


José Polesel , vô Bepin
1903 -1972

LOTEAMENTO JARDIM RESIDENCIAL ITABERÁ

Rua 01: Rua José Polezel – Lei nº 3572/1993

Rua 02: Rua Pietro Casagrande - Lei nº 3579/1993

Rua 03: Rua Ricardo Gobbo - Lei nº 3575/1993

Rua 04: Rua Aristides Altafin – Lei nº 3574/1993

Rua 05: Rua Arcângelo Baldassin – Lei nº 3573/1193

Rua 06: Rua José Tomazella – Lei nº 3577/1993

Rua 07: Rua da Imigração Veneta

em homenagem aos imigrantes venetos que viveram no bairro do Rolador, em Piracicaba, incluindo meu avo, Jose Polezel, Bepin.

Rua Padre Roberto Maria Drummond Gonçalves
Avenida Irmã Maria Felicíssima Moschini
Praça Madre Maria do Cenáculo

em homenagem á tres grandes santos que viveram em Piracicaba e que eu tive o privilégio de conhecer.

terça-feira, 7 de abril de 2009

FOLHA DE VILHENA/RO

Tv Folha de Vilhena
Destaques
Edição Impressa
Eventos


Morre mãe do ex-prefeito Vitório Abrão

GERAL - 23/3/2009 11:36:51
Faleceu agora a pouco na residência da ex-deputada Ivove Abrão, Regina Polezel Abrão que completaria no início de maio 81 anos de idade.Dona Regina entrou com coma na tarde de ontem domingo e não resistiu, vindo a falecer por volta das 08hs05 desta segunda-feira, 23.Regina era mãe do ex-prefeito de Vilhena Vitório Alexandre Abrão e da ex-deputada estadual Ivone Abrão.O corpo está sendo velado na casa da ex-deputada na avenida leopoldo Peres - Centro e será sepulado no final da tarde desta segunda-feira, no Cemitério Municipal Cristo Rei.

MORTE DE REGINA POLEZEL ABRÃO


primos,
nossa família é grande, mais de 400 pessoas, e nem sempre nos conhecemos ou nos falamos.... mas temos algo em comum: somos descendentes de FORTUNATO POLLESEL e REGINA GOBBO. Eles aportaram em terras brasileiras em 1897 e desde então somos Brasileiros, e com muito orgulho!
Vou utilizar este meio de contato para estreitarmos os nossos laços de parentesco e partilhar notícias, que acham?

Partilho com voces uma notícia triste, a morte de REGINA POLEZEL ABRÃO. Ela tinha 80 anos e faleceu na segunda-feira última, 23 de março de 2009, em Vilhena, Rondonia. Regina era filha de Victório Polezel e Conceição Benites e viúva de Mamede Abrão. Vivia há muitos anos no estado de Rondonia onde sua famíla tornou-se numerosa, respeitada e conhecida.
Deixa muitos descendentes e á eles nossos sinceros pêsames.... além da certeza da ressurreição, em Cristo.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

VAPOR MENTANA - 1


O "Provincia di Sao Paolo" trafegou apenas dois anos com esse nome. Ele foi construído em 1869 com o nome de "Westphalia", para a companhia alemã Hapag. Depois virou o britânico "Atlantica", em 1887. Em 1888 foi o italiano "Provincia di Sao Paolo", da armadora Gazzo & Schiaffino e em 1889 passou à companhia Fratelli Lavarello, na linha Gênova-portos sul-americanos (incluindo Santos). Em 1889 mudou o nome para "Mentana" e em 1891 virou o "Sud America", na mesma rota até 1901, quando foi demolido na Itália.

VAPOR MENTANA e a familia Citron


Giuseppe Citron, meu tataravo, avo de Anna, mãe de meu pai, nasceu em San Doná di Piave, província de Veneza, Itália em 1845. Casou-se com Itália Bellese e tiveram quatro filhos: Umberto (que viria á ser meu bisavo, Lívio, Maria e Ida. Imigraram para o Brasil á bordo do vapor Mentana. O desembarque foi no porto de Santos/SP em 04 de novembro de 1891. Após alguns dias na Hospedaria dos Imigrantes, no bairro do Brás em São Paulo, foram contratados para as lavouras de café, em Campinas/SP.
Faleceu em Campinas/SP em 30 de setembro de 1939 e foi sepultado no Cemitério da Saudade, no jazigo da família.