quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A SEPULTURA DE DOM EDUARDO KOAIK

A SEPULTURA DE DOM EDUARDO KOAIK


Claudinei Pollesel

“D. Eduardo Koaik foi sepultado na cripta da Catedral de Santo Antonio, de Piracicaba/SP.” Assim é noticiado pelos meios de comunicação sobre o local do sepultamento do nosso querido bispo e pastor amado. Mas, mesmo em momentos tristes e de profunda reflexão, é possível colocar uma pitada de história, como tempero da notícia.

A Catedral de Piracicaba não possui mais sua cripta original. Por iniciativa de Mons. Jamil Nassif Abib, pároco da Catedral e de D. Fernando Mason, bispo da Diocese, este espaço fúnebre deixou de existir em abril deste ano, quando foram exumados os restos mortais de Mons. Manoel Francisco Rosa, morto em 07/06/1965 e de D. Aniger Francisco Maria Melillo, morto em 17/04/1985.

Construiu-se na nave principal, sepulturas e ossuários destinados aos bispos e á outros dignitários da diocese local. Foi perfeita e oportuna esta reforma no templo principal da diocese, pois assim as sepulturas ficam próximas de seus fiéis, que podem venerar seus mortos, prestando-lhes a homenagem da visita e da oração, antes impossível. O único senão fica por conta dos degraus em volta das sepulturas. O ideal seria que fossem rentes ao chão, como são nas antigas igrejas que abrigam seus mortos em seu solo sagrado. Recentemente assistimos o sepultamento do cardeal D. Eugenio Salles, na Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro, nestas condições, sendo a sepultura ao nível do chão.

O corpo do querido D. Eduardo Koaik foi colocado ao lado dos restos mortais de Mons. Rosa e de D. Aniger, que foram inumados neste local na quinta-feira santa, 04 de abril de 2012. Esta sepultura está entre os altares de Nossa Senhora de Fátima e do Imaculado Coração de Maria. Local perfeito, bonito e digno para o descanso do nosso querido pastor, que sob o olhar materno da Mãe de Deus e nossa, aguarda a ressurreição. C om certeza está feliz, caso seja possível este sentimento no paraíso.

Resta-nos agora aguardar de Mons. Jamil, historiador e nosso confrade no Instituto Histórico, que se anime á requisitar á Arquidiocese de São Paulo os restos mortais de D. Ernesto de Paula, primeiro bispo, construtor da catedral e fundador da diocese, que está sepultado na cripta da Catedral da Sé. Seria uma homenagem justa ao nosso primeiro bispo e á história da Diocese de Piracicaba. Com certeza, todo o povo católico de Piracicaba, faria uma comovente recepção ao venerando bispo que renunciou ao governo da diocese em 1960, por problemas de saúde.

Consta que foi por vontade própria, expressa em testamento, que D. Ernesto de Paula, foi sepultado em São Paulo, na cripta da Sé. Ele faleceu em 31 de dezembro de 1994 aos 95 anos. Quem sabe agora, após quase 20 anos de sua morte, seja possível esta transferência que será um marco na história da igreja local.

(Claudinei Pollesel, do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba).


COMENTÁRIO DE DOM FERNANDO MASON, BISPO DE PIRACICABA:
Prezado Sr. Claudinei


Considero o texto ponderado e oportuno, pois os jornalistas insistiram com a tal de cripta; se vê que não sabem o é cripta. Fico contente também em saber que o Sr. Achou oportuna a mudança. Quando ao degrau, é para evitar que alguém pise encima da lápide; ainda haverá uma proteção entorno ao túmulo; Mons. Jamil está bolando a coisa, entre muitos outros afazeres e com os tempos que lhe são próprios!

Um abraço

Dom Fernando

COMENTÁRIO DE MONS. JAMIL NASSIF ABIB, VIGÁRIO GERAL E PÁROCO DA CATEDRAL:
Meu caro Claudinei,

grato pela atenção do envio da matéria sobre D. Eduardo.

Há algum tempo, D. Eduardo - embora nos surpreendendo com a sua resitância - vinha nos oferecendo um quadro de saúde extremamente precário.

Dentre os cuidados que mereceu e que não lhe faltaram - indeclinávelmente o assunto da cripta da Catedral vinha à tona.

O projeto de Benedito Calixto de Jesus Neto ( o mesmo da Basilica de Aparecida) não previu nem a cripta e nem outrras dependêcias que foram se mostrando necessárias ao longo do tempo.

Intervenções do próprio D. Ernesto, no seguir das obras (ex: altura da pia batismal - 1954) - construção da cripta (1954) -

como dos pósteros bispos e párocos, (salão, salas de atendimento, secretaria, ventiladores, iluminação, som, orgão interferiram no projeto - alguns para melhorar: orgão - supressão da escada de acesso aos andares superiores, na parte extrerna - instalações da Cúria Diocesana, etc. Outras intervenções, entretanto, não foram tão felizes, ao olhar de hoje . Razões? falta de recursos, soluções provisórias ou improvisadas, etc Exemplo: implantaçãoi da secretaria (1969) - a pintura das paredes internas (1971) - a substituição das luminárias de vidro por lampadas fluorescentes (1975) - a diminuição do espaço da sacristia para a substituição de anexos (1979) - a substituição das luminárias de vidro por lampadas fluorescentes (1975), etc.

O espaço existente dificulta um projeto harmônico que contemple a conservação do patrimônio histórico que é a Catedral, como, tambem, as exigências litúrgicas atualizadas e as necessidades de funcionamento de uma sede paroquial.

A cripta resultou da divisão do grande salão inferior. Construiu-se uma capela, sem acesso direto para a rua ou para a nave da Catedral.

Não se vislumbrou outra solução para que a cripta lembrasse uma capela mortuária . Foi construida em 1954 . Em 1965, recebeu os despojos de Mons. Rosa e, posteriormente, de D. Aniger. Em julho de 1979, já se pensava em encontrar um lugar mais adequado para a cripta. Pensou-se em transferí-la "para o próprio corpo da igreja, aproveitando-se ou os altares laterais, como jazigos, ou a capela do Batismo, na entrada à esquerda" (Tombo V, 22v).

As mesmas alternativas, levantadas em 1979, mostraram-se inviáveis, quando, em 2007, tiveram início as conversas para a implantação de um projeto abrangente de recuperação da Catedral, ainda em andamentro.

A situação de saúde de D. Eduardo forçou a retomada do assunto da cripta.

Desde o episcopado de D. Eduardo, era seu desejo transferir para Piracicaba os despojos de D. Ernesto, primeiro bispo e construtor da Catedral. Repousam, ainda, na cripta da Catedral de São Paulo, ao lado dos bispos paulistanos, do Regente Feijó, do indio Tibiriçá, de Bartolomeu de Gusmão e outros. D. Fernando abraçou a causa que está esbarrando numa avalanche de exigências burocráticas.

Em agosto de 2012, D. Fernando aceitou a proposta de sepultamento dos despojos, ao longo das paredes laterais, no intervalo entre os altares. Nesse mês e no seguinte, ficaram prontos os jazigos. No dia 4 de abril deste ano, foram inumados os ossos de Mons. Rosa e D. Aniger nos novos jazigos.

A proposta primeira foi a de dar maior proximidade para o povo. A proposta segunda, foi a de destacar os jazigos, sem prejuducar muito a harmonia e a combinação dos elementos que compõem, atualmente, o espaço interno desse monumento piracicabano. A elevação em relação ao piso foi proposta por D. Fernando para ressaltar o elemento novo ali existente e, tambem, seguir o padrão dos degráus dos altares laterais.

Vão ai algumas referências não muito conhecidas.

Parabens pelo seu trabalho

Meu abraço,

Mons. Jamil




quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Meu avo, homenagem justa e merecida!

16 de agosto, aniversário da minha mãe

MÃE

16 de agosto de 2012, primeiro aniversário de minha mãe após sua morte!

A rotina até o ano passado era assim: bem cedinho pegar o telefone e discar 34391870 e ouvir do outro lado um ALÔ bem forte e sonoro, pois ela já sabia que era alguem da família para dar os parabens; eu dava os parabens e dizia: "65 anos!", diminuindo sempre pelo menos 10 anos da idade real  e aí ouvia dela: "quem dera! 75 anos, como a vida passa depressa!".  assim acontecia sempre, ano após ano! Em 2012, sem a presença física da mãe será um pouquinho diferente, não vou ligar, vou até Saltinho levar algumas flores e mandarei celebrar uma missa pela sua alma.  Vou guardar um pouco de lágrima para o mes que vem, no dia 20 de setembro, quando fará 01 ano de sua morte.
Mãe, recentemente estive em dois velórios, num deles vi a mãe que perdeu o filho e no outro a esposa que perdeu o marido e cheguei á conclusão que a senhora não gostaria de estar em nenhuma daquelas duas situações, que preferiria  como realmente foi, sendo a primeira, aquela que foi antes, que não viu a morte de nenhum de seus descendentes ou mesmo do marido. 
Ah, o último presente que dei á minha mãe foi uma imagem do menino Jesus, grande e bem feita, e ouvi dela: "Que linda! vou usar na novena de Natal, aqui do Azaléias...."   Não houve Natal em dezembro pra ela, mas ele foi antecipado pra  setembro,pois no dia 20 ela foi pro céu e pode ver pessoalmente a Sagrada Família de Nazaré.
Neste ano o meu presente será uma RUA .... estranho? não pedi ao vereador Trevisan e seu nome será colocado  numa das ruas do Residencial Reserva Vivendas, localizado na SP 304, em frente á Balbo, em Piracicaba/SP.  Assim a antiga rua 16 será chamada agora de "RUA ROSA CAETANO POLEZEL".
Alguem poderia questionar o porque desta homenagem ou mesmo o merecimento e eu diria que seria lindo, maravilhoso se todas as ruas da cidade tivessem nomes de pessoas anônimas, pessoas corretas, pessoas religiosas, pessoas do povo, que viveram dignamente e santamente!  Estas pessoas merecem MIL VEZES MAIS esta homenagem que muitos que a recebem.

PARABENS MÃE, pelos 75 anos, 01 mes e 04 dias de vida que o Senhor te concedeu ... parabens pela vida maravilhosa que a senhora teve como filha, amiga, esposa, mãe, sogra, avó, bisavó, vizinha .....
A saudade é imensa mas as boas lembranças e a certeza do reencontro no céu são maiores.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

TEXTO DE PE. GIOVANNI MURAZZO SOBRE O LANÇAMENTO DO LIVRO CRUZES NO CAMINHO




“Imaculado coração de Maria, faça-nos DISCIPULOS ALEGRES, SACRO CORAÇÃO DE JESUS faça-nos felizes missionários.”

Piracicaba 11/08/2012 PONTICELLO n.8 da série “Coração Imaculado de Maria”

UM DIA MEMORÁVEL:BÊNÇÃO SOBRE BÊNÇÃO E GRAÇA SOBRE GRAÇA.

Com a ajuda preciosa e valiosa de muitas pessoas amigas consegui preparar o lançamento do meu livro: ”CRUZES NO CAMINHO, o sofrimento à luz da fé” com quase um mês de antecedência.

A divulgação aconteceu através de vinte cartasetes, cem convites, cinco entrevistas pelos rádios e cinco entrevistas pelos jornais. No dia agendado, 28 de julho, Claudinei, o meu amigo, veio buscar-me na paróquia com o seu carro. Chegamos pontualmente às 10,00 hs na livraria Nobel que fica bem no centro da cidade, atrás da catedral.

PRIMEIRA SURPRESA.
Logo que entrei na livraria, a três passos na minha frente, vi um casal de costas. Parecia-me Dilger e Neide, mas não tinha certeza. Avancei com uma certa emoção e logo tive certeza que eram eles “em carne e ossos”. A incerteza sumiu e a alegria explodiu. Exclamei: “Mas isso não é possivel! Como souberam deste evento?” Logo dei-lhe aquele abraço amigo... Dilger: “Ficamos sabendo e aqui estamos para prestigiar a pessoa amiga que é Padre Giovanni”. “Mamma mia, como me sentí feliz, feliz e feliz!”

Às 18,30 hs, Neide e Dilger vieram na minha paróquia para irmos juntos na comunidade dedicada a São João Batista para a celebração eucarística.

No momento de acolhida perguntei: “Quem veio aqui hoje pela primeira vez?” Naturalmente Neide e Dilger levantaram a mão. Fiz questão que se apresentassem e que comunicassem o motivo da sua vinda a Piracicaba.

DILGER SE APRESENTOU E APRESENTOU NEIDE e acrescentou: “Quem tem um amigo... tem um tesouro... Saimos ontem de Laranjeiras do Sul e fizemos 760 chilomentros e viemos a Piracicaba para rever o nosso amigo Padre Giovanni, nosso tesouro, em ocasião do lançamento do seu livro!”

Podem imaginar aquela cordial salva de palmas que explodiu do coração de um jeito bem expontâneo...

Voltemos agora ao encontro da manhã. Depois que Neide e Dilger entraram na fila para ter o livro autografado ficaram sentados numa das mesas do barzinho que caracteriza a livraria.Tinhamos combinado de irmos almoçar juntos.

Durante uma pausa do meu gostoso serviço de dar autógrafos... fui visitá-los pedindo paciênça na espera do almoço... Na mesinha ao lado deles estava sentada uma senhora que tinha recebido o livro autografado... Fiz questão de apresentar a ela Dilger e Neide comentando que vieram de Laranjeiras do Sul... Logo que a senhora Carmem ouviu a palavra “LARANJEIRAS DO SUL” VIBROU DE ALEGRIA E DECLAROU: “Eu vivi um tempo em Laranjeiras do Sul...” Fiquei satisfeito desta minha “missão de ponte” e voltei, com alegria no coração, na mesa para retomar o delicioso serviço de continuar autografar.

Depois de meia hora, quando terminou a fila, tive a feliz surpresa de encontrar dona Carmen ainda dialogando com Neide e Dilger.

NOVAS SURPRESAS.
A Senhora Roberta, dona da livraria, me comunicou, com muita satisfação, que foram aproximadamente cinquenta pessoas que pediram o livro autografado. A maioria das pessoas eram conhecidas, mesmo assim a sua presença não deixou de ser uma agradável surpresa.

Gosto de destacar a presença de Gabriela e Fabio com o seu filhinho Guilherme. Fiz o casamento deles, depois que Gabriela conseguiu a anulação do seu primeiro casamento. Tive também a alegria de batizar o simpático Guilherme que não deixa de pedir aos pais uma irmãzinha ou um irmãozinho.

Uma outra agradável surpresa foi a presença de Dona Helena Aguiar Corazza e seu esposo; ela é presidente reeleita da Academia Piracicabana de Letras. Mesmo que já tivesse recebido o meu livro autografado como sinal de gratidão pelo artigo que ela escreveu no JORNAL DE PIRACICABA, fez questão de marcar presença para partilhar da alegria do evento.

Uma outra surpresa foi a participação do casal Marcia e Sergio Forti: ela de Piracicaba e ele de Lodi, cidade perto de Milano. Este casal é representante da sociedade italiana na cidade de Piracicaba e da escola italiana.

A surpresa “mais surpresa” foi a participação do Pastor Dilmo da Igreja Assembléia de Deus. Ele demostrou muita cordialidade até ao ponto de convidar-me a fazer o lançamento do meu livro na sua Igreja. Mesmo que o convite esteja sutilmente relacionado ao interesse politico, sendo ele um dos seis candidados a prefeito da cidade, não deixa de ser significativo na perspectiva do diálogo ecumênico.


CONCLUSÃO.
Agradeço à família Trinitária e às pessoas amigas por ter realizado esta nova experiência visando sempre reduzir os pecados de omissão. Foi um dia memorável pela alegria da partilha.

Pe. Giovanni Murazzo
R.Antonio Bacchi,1065 - 13424-070 - Piracicaba /SP - Brasil - murazzo@terra.com.br







sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O CENTENÁRIO DA MATRIZ DA VILA REZENDE

Mons. orivaldo, pároco da Matriz da Vila Rezende


Fui convidado pelo Mons. Orivaldo Casini á fazer parte da comissão organizadora da "COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO PAROQUIAL DA MATRIZ DA IMACULADA CONCEIÇÃO DA VILA REZENDE".   Aceitei com muita honra e gratidão este convite e fazem parte desta comissão também as senhoras Maria Luiza Lazarete Castelluci, Maria Ines Camargo e Marilda Zanoni Mariotti Abbas.
Tres motivos principais me fizeram aceitar e ficar feliz com o convite:
1. gratidão ao Mons. Jorge Simão Miguel
2. amizade e carinho por Mons. Orivaldo Casini, meu antigo companheiro de seminário diocesano
3. amor á História e em especial á História da Igreja de Piracicaba

Peço á São Loutrenço, em seu dia, que me ajude nesta empreitada e que eu esteja á altura de poder colaborar.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

adeus á Placido Aristeu Magrin



Mais uma vez nossa família se entristece nesta semana com a morte repentina de Placidinho, marido de nossa tia Maria Inez Polezel Magrin ..... faleceu ontem, 08 de agosto de 2012, em Nova Odessa/SP.
Aos filhos, noras, netos e amigos nossos sentimentos de pesar e certeza da ressurreição!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

FALECEU ARMANDO BENEDETTI JUNIOR

Nossa família está  mais triste hoje com a morte do nosso primo, Junior, aos 52 anos, nesta manhã do dia 06 de agosto de 2012, em Campinas/SP.   Na foto, feita em nosso último encontro, em 22 de janeiro de 2012, ele está á esquerda, com o copo na mão.   Era filho de Armando Benedetti, já falecido e de Anna Therezinha Polezel, na foto, com roupa azul.  Era casado com Maria Aparecida Polezel e deixa dois filhos, Rodrigo e Ricardo, á quem deixamos nossos sentimentos e nosso carinho.
Pedimos á Deus Pai que console sua família e encaminhe sua alma ao Paraíso...