terça-feira, 19 de novembro de 2013

IRMÃ APARECIDA SEGA - MISSIONARIA DE JESUS CRUCIFICADO


IRMÃ APARECIDA SEGA

Claudinei Pollesel

 Irmã Maria Aparecida Sega, falecida no último 3 de novembro, aos 94 anos, recebeu aquela sólida formação que procura unir estas três grandes virtudes: devoção, prática constante e criteriosa da caridade e sólida formação acadêmica, fazendo de sua longa vida uma busca constante do seu testemunho de religiosa numa enorme doação ao mais necessitado.
Honra e graça para a Igreja Particular de Piracicaba que pôde contar em suas fileiras com a atuação, coerente e constante, por 36 anos, de alguém como a Irmã Aparecida Sega!
Ingressou com 26 anos na Congregação das Missionárias de Jesus Crucificado. Fez a profissão dos votos religiosos em 1948.  Foram 68 anos de contínuo exercício a serviço do Reino nas mais diversas realidades que a obediência lhe indicou.
Rio Claro, Campinas, Goiânia, Brasília, Rio de Janeiro e Piracicaba foram os principais locais que a viram realizar a sua eloquente consagração religiosa. Seus trabalhos foram os mais variados: com os indígenas, evangelização e assistência aos candangos, pastoral carcerária, moradores de favelas, alcoólatras e suas famílias.
Possuía formação em Enfermagem, Nutrição e Serviço Social e este preparo fez com que sua atuação pastoral fosse ainda mais eficiente e coerente com as necessidades que se apresentavam. Diplomou-se na Universidade Federal do Rio de Janeiro onde cursou a Escola de Serviço Social em 1974. Seu modo de atuação, seguro e eficiente, tornou-se uma referencia para os que com ela conviviam.
Desde 1977 atuava na direção da creche “Ada Dedini Ometto”, cuja mantenedora é a Sociedade Amigos da Vila Rezende (SAVIRE). Trabalhava, voluntariamente todos os dias, cuidando de todos os tramites administrativos e rotineiros da creche.  Diminuiu sua presença somente em setembro passado, aos 93 anos, quando adoeceu e precisou permanecer afastada do trabalho. Foram 35 anos de total dedicação á creche.
Residiu por todos estes ano no Dispensário dos Pobres, à Rua do Rosário, a conhecida casa das Missionárias.  Paralelo a este seu trabalho na Creche, cuidou com carinho das jovens que residiam no Pensionato mantido pelas irmãs. Eram moças de todos os lugares do Brasil que vinham para Piracicaba para estudos e que eram confiadas pelos pais aos cuidados das Irmãs.
Saiu de lá somente quando se concretizou que a compra do prédio do Dispensário foi assumida pela Renovação Carismática Católica, porque a diminuição das vocações religiosas e o direcionamento das Irmãs para outros trabalhos pastorais, não mais permitiu que a casa continuasse sob a responsabilidade da Congregação, fundada por Dom Francisco de Campos  Barreto, segundo bispo de Campinas.
A pequena comunidade das remanescentes Irmãs Missionárias de Jesus Crucificado: Ir. Aparecida, Ir. Adélia e Ir. Glória transferiu-se para a residência à Rua Dom Pedro.  Foi um gesto carinhoso e generoso da Congregação que permitiu que Ir. Aparecida permanecesse em Piracicaba, próxima de sua família e de seu trabalho na Creche da Vila Rezende até o fim de sua laboriosa existência.
Enferma, sua força interior vinha dos vários terços rezados diariamente e da grande devoção à Nossa Senhora Aparecida, sua padroeira. Nunca reclamava de sua condição limitada e do muito tempo que passava na cama. Dizia sempre que estava bem e queria continuar viva. Demonstrava grande amor á Eucaristia.
A zelosa atuação das filhas de Dom Barreto ficará gravada no coração dos piracicabanos. Dentre as que aqui trabalharam quero destacar as Irmãs: Carolina, Anésia, Benedita de Camargo Barros, Glória, Adélia e Aparecida, com uma referência de tantas outras que passaram pelo Dispensário. Particularmente, esta recordação, com certeza virá do povo mais sofrido das periferias de Piracicaba pelo bem que procuraram nestes ambientes realizar.
Deus, em sua imensa bondade, pague por toda oblação que Irmã Aparecida e as suas coirmãs fizeram e, esperamos ainda poderão realizar, nesta nossa cidade que o fundador denominava “a pérola da sua Diocese”.
(Claudinei Pollesel é membro do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba).

Nenhum comentário: