A herança do Padre Vicentão




A herança do Padre Vicentão
Claudinei Pollesel

Recebi parte da herança material do Padre Vicente Tonetto, missionário xaveriano morto no mês passado.
Misto de alegria e surpresa pois não sendo da família, apenas amigo e admirador deste velho missionário italiano que tanto fez por Piracicaba, não me imaginava incluído entre os beneficiários de sua herança.

Quem me repassou a minha parte, o meu quinhão, foi o Padre Giovanni Murazzo, Provincial dos Missionários Xaverianos. Como superior cabe á ele a responsabilidade e o dever de elencar e encaminhar os pertences e bens do confrade morto.

Recebi a minha preciosidade, a minha jóia mais rara no caminho entre a matriz da Paulicéia e a capela da Água Branca. Estava ciceroneando o Padre Provincial, de passagem pela cidade. Ouvi dele tambem que eram pouquissimos os pertences que poderiam ser destinados aos amigos e familiares pois Padre Vicente distribuia tudo, exatamente tudo, não guardava nada, não acumulava nada!

A minha parte da herança, a parte que me coube foi um objeto que me emocionou e encantou. Recebi como herança a CRUZ MISSIONÁRIA do padre Vicente! Aquela mesma cruz de madeira e ferro que o jovem Vicente recebeu das mãos de seus superiores há mais de 60 anos atrás, em Parma, na Itália, quando de sua profissão religiosa.

É a mesma cruz que estava no baú quando do embarque no porto de Genova rumo ao Brasil, no distante ano de 1962....
É a mesma cruz que permaneceu pendurada em sua cabeceira por todas as noites de sua longa existência....
É a mesma cruz que consolou o missionário de espírito rebelde, tantas vezes incompreendido e criticado....
É a mesma cruz que ouviu as confissões mais intimas do jovem e do velho padre.....
É a mesma cruz que o acompanhou por tantas cidades paranaenses e paulista, como lembrança da necessidade e da urgência da missão....
É a mesma cruz que o consolou quando da morte de seus entes mais queridos....
É a mesma cruz que o acompanhou em seus retornos forçados á Itália, sem a certeza e o consolo do retorno....
É a mesma cruz que viu as lágrimas escorrerem de seu rosto cansado e sofrido, quando vieram as doenças e acidentes....
É a mesma cruz que o fez recuar e repensar nas ocasiões de exagero sem necessidade.....

É a mesma cruz que ouviu as orações e preces do Padre Vicentão.....
É a mesma cruz que teve que providenciar remédio, dinheiro, roupa, tábua, mantimento e tantas outras coisas para os pobres do Padre Vicente, tão valorizados e amados por ele.....

Padre Vicente esta sua cruz estará comigo para sempre. Será meu refúgio e consolo pelos caminhos da vida.
Fique em paz, grande amigo e pai dos pobres. Eu cuidarei da sua herança, desta jóia tão rara!

(Claudinei Pollesel, do Instituto Histórico e Geográfico de Piraciaba).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMIGRANTES ITALIANOS QUE VIERAM NO VAPOR MANILLA EM 30 DE OUTUBRO DE 1897

POLESEL, POLLESEL, POLEZEL, POLIZEL, POLEZER, POLEZELLI, POLESELLO

FAMILIA EVANGELISTA - COMPANHEIROS NO VAPOR MANILA