quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Pastor Salvador Puccio
missionário do Vale do Ribeira


Filho de imigrantes italianos, nascido em Mococa/SP em 1913, conheceu desde cedo a crueza da vida. A morte prematura do pai, vitimado pela febre amarela, trouxe ainda mais sofrimento e desencanto á jovem Maria Graccia, sua mãe, que não poupou sacrifícios para criar seus quatro filhos pequenos.
Casou-se com Laurinda da Costa, já falecida, e teve quatro filhos: Luiz, Lourdes, Inez e Roberto e é avô e bisavô.
De formação católica, onde era assíduo freqüentador de movimentos de leigos, conheceu o protestantismo aos 50 anos através do pastor Cassiano Rodrigues dos Santos, diácono do Igreja Presbiteriana Independente, que havia recém fundado a 1ª Igreja Evangélica do Cambuci, motivado pelo avivamento bíblico pregado por pastores americanos em 1953.
O apostolado no Vale do Ribeira coube á ele após a desistência do Pastor Mário Bovi. Aceitou a missão, não resignado, mas com entusiasmo, pois sabia o quanto suas sementes poderiam germinar naquele chão de almas sedentas de Deus. Ungido pastor arregaçou as mangas para anunciar a Palavra, sem medir esforços ou conseqüências.
GUARAÚ, CAJATI E PARIQUERA-AÇU foram o palco e o púlpito deste grande missionário. Foram mais de 500 viagens pela “rodovia da morte” , numa época em que o título se fazia jus; mais de 1000 cultos celebrados com paixão contagiante em 16 anos de trabalho sem Ter tido um único final de semana de descanso junto com a família. Milhares de quilômetros que consumiram cinco veículos e muito combustível custeados pelo próprio pastor, sem nunca reclamar a quantia desembolsada ou o tempo gasto. Quase sempre só na ida e quase sempre acompanhado na volta: irmãos que necessitavam de tratamento médico, irmãs á procura de trabalho, jovens que queriam simplesmente passear em São Paulo... A casa do pastor na Rua Estéfano, 233 – Cambuci, foi o verdadeiro porto seguro onde uma única “senha” abria suas portas: “ Sou do Vale do Ribeira”.
Nunca foi indiferente á qualquer necessidade de suas “ovelhinhas” do Vale.
Diante da situação de pobreza e de necessidades que encontrou muitas famílias, arregaçou as mangas e supriu á todos com o que podia: roupas, cobertores, brinquedos e alimentos.
O pão da alma e do corpo distribuídos abundantemente, usando de todos os meios para arrecadar e para distribuir!
Quantas famílias do Guaraú tiveram um natal mais feliz graças a estas doações! Quantas crianças sorriram graças ás bonequinhas e carrinhos distribuídos pelas mãos caridosas do Pastor Salvador e sua equipe!



Bondoso, caridoso mas rígido na doutrina evangélica. Conquistou corações de pedra sem abrir mão de preceitos bíblicos que nortearam seu ofício de pastor. Distribuiu abundantemente o perdão, insistindo carinhosamente para que suas “ ovelhinhas” não pecassem mais. Diante das calúnias que lançaram contra ele respondeu com silêncio, mas de cabeça erguida pois sabia que seu ofício era sagrado e baixar a cabeça era tirar a dignidade de seu ofício.
Foi um grande evangelizador quen aliou-se á modernidades tecnológicas para alcançar seus meios (fotos e slydes que ainda hoje guardam boa parte da história do Vale do Ribeira), mas no final suas pregações tinham poucos ouvintes: somente aqueles que tiveram o privilégio de visitá-lo em sua casa. Seu sofá transformava-se em púlpito, sua pequena sala em igreja, seus olhos brilhavam e as mãos tremulas abençoavam á todos.
Faleceu santamente em 06 de dezembro de 2002, após sofrer uma queda acidental em sua residencia. Foi sepultado em São Paulo/SP no cemitério dos protestantes. Seus restos mortais repousam ao lado de sua esposa, onde aguardam a ressurreição.
Sua benção Pastor Salvador! Obrigado por tudo!

Perpetuar seu nome em uma das ruas de Cajati/SP é uma justa homenagem
á quem tem tanto amor por essa região e tornou-se um verdadeiro embaixador do Vale do Ribeira na Capital Paulista.

[Claudinei Pollesel é historiador e genealogista, membro titular do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba/SP]